quarta-feira, 15 de julho de 2009

Deus me LIVRE...


Aproveitando a carona da Tertulia Virtual vamos falar sobre o medo de ser LIVRE q algumas mulheres tem (homens tbm, contas feitas...) e q as leva a viver e morrer, literalmente, na suposta prisão matrimonial... Esse blog q nasceu com uma missão ternurenta de expor minhas crônicas sobre a vida como mãe ilegal, isto é, mãe imigrante ilegal... passou a ser um canal de purgatorio existencial, onde exponho vez por outra as mazelas ilegais q afetam milhoes de mulheres por esse fim de mundo... as informações q aleatoriamente vão surgindo por aqui, remeteram muitas vezes para ambientes domésticos, como raiz de muitos males... e é mesmo ao q parece, em casa de quem casa, q começa um lastimavel rastilho de histórias infelizes... ao q parece é mesmo na violência doméstica q nasce a violência social... e vamos or ai afora, mais uma vez tentando entender pq isso acontece assim... e onde poderemos alterar essa estrutura e mudar o final infeliz de tantas "princesas"... argh, odeio q me chamem de princesa... prefiro antes RAINHA... mas afinal, pq as meninas querem tanto se casar, mesmo já sabendo q isso não vai prestar, e os meninos tbm, afinal, elas se casam com eles... pq mesmo hein?
Ah, pq existe uma pressão social para q só sejamos felizes para sempre se tivermos um casalinho hetero e monogâmico, de preferencia endividado no banco por uns 20, 30 ou 50 anos...
Pelo fim da ditadura do amor romântico, heteronormativo e monogâmico (fonte de toda hipocrisia que vivemos...) vamos fazer uma série aqui dismitificando pra sempre essa historinha ra boi dormir e enfim, ser FELIZES SOZINHAS E LIVRES para sempre!!!

Começamos com um testo doMaçãs Podres sobre o motivo q impulsiona as meninas para o abismo nupcial...
“O desejo inconsciente dos cuidados de outrem – é a força motriz que ainda mantém as mulheres agrilhoadas. Denominei-a “Complexo de Cinderela”, uma rede de atitudes e temores profundamente reprimidos que retém as mulheres numa espécie de penumbra e impede-as de utilizarem plenamente seus intelectos e criatividade. Como Cinderela, as mulheres de hoje ainda esperam por algo externo que venha transformar suas vidas.” (Collete Dowling)

Como foi observado por Simone de Beauvoir existem mulheres que se posicionam como submissas para “evitar a tensão envolvida na construção de uma existência autêntica.” Permanecer nessa posição de submissão sendo boa companheira, boa mãe e dona de casa (de preferência sustentada), traz uma tranqüilidade que a LUTA POR SI MESMA não traria.
O medo de enfrentar o mundo sozinha gera uma tensão emocional e uma ansiedade asfixiante de ser aceita, estes sentimentos envolvem as mulheres, fazendo-as recuar da luta. É evidente que é muito mais fácil recuar do que encarar um problema que foi enfiado em nossa goela. E hoje se encontra enraizado dentro de nós mulheres por comodidade tbm. A princípio o que foi imposição de ser protegida por um homem e dependente dele em todos os âmbitos, tornou-se um comportamento natural e “cômodo” (não precisamos pensar, não precisamos nos responsabilizar por nós mesmas e nem lutar, pois aparentemente está tudo bem).
Estar “tudo bem” não gera tensão...
Gerar tensão indica que há um conflito entre as necessidades internas e as imposições externas, essa comodidade é que vai frear a tensão e a ansiedade. Afinal, quando nos confrontamos com o externo nos tornamos “doentes psíquicos”, uma “anomalia” para a sociedade. Como qualquer doença os sintomas se manifestam e os medicamentos veem para “curar” a tal “anomalia”. Se os sintomas permanecerem, inicia-se a repressão. Esta repressão se traduz em falsa preocupação, pois o que a sociedade, a família, os amigos, a religião, o Estado e a medicina dizem ser “preocupação com a nossa felicidade e bem-estar físico”, na verdade é traçar o nosso destino baseado no padrão moral da antiga família, com intenções econômicas de sustentação do sistema vigente.
A imposição do papel social feminino é de se tornarem mães, esposas, donas de casa, sonhando com a proteção de uma falsa liberdade e, intrínseco neste projeto, o amor cumpre um papel de aprisionar as mulheres. Eis as flores que cobrem a camisa de força!
Como diz Reich: “As catástrofes dos tempos mostraram-nos que o povo ensinado a ser cegamente fiel em qualquer sistema se privará da sua própria liberdade; matará o que lhe dá liberdade, e fugirá com o ditador”.
E qual a prescrição médica para tal doença?
Não se iludam mulheres, a única prescrição que temos está em nós mesmas. Somos as únicas médicas capazes de diagnosticar e sanar essa doença. Este é o único caso útil de auto-medicação. Ou então se delicie vivendo dentro de um hospital onde a camisa de força é coberta por flores, pois é muito mais fácil vender a nossa independência do que ser senhora de si mesma.
Como Maçãs Podres, nosso objetivo é eliminar o impulso (força motriz) que alimenta o Complexo de Cinderela e nos coloca numa completa dependência do outro. Nós estamos dispostas a quebrar os grilhões e dissipar a cegueira. As experiências emocionais que nos esperam são poderosas, mas para aquelas que realmente abandonam os ‘scripts’ sociais, em troca, recebem a verdadeira liberdade. Inicialmente a luta contra o Complexo de Cinderela é conseqüentemente a luta contra nós mesmas!

Texto: Élida R. Pereira.
Colaboração: Ana Clara, Cathiara e Patrick Monteiro.





Não alimente esse bicho papão por favor...

...

domingo, 5 de julho de 2009

Luizas de todo mundo: gritem a todo pulmão!!!


"Oi Luisa,

Será que você lembra de mim? Sou filho da dona Fany, do Bom Retiro. Provavelmente você lembra, mas talvez por desgosto tenha removido aquela absurda tarde da memória. Só me permito lembrar – lavando estes panos sujos assim tão publicamente – porque o mundo é cheio de Luisas. Porque já se passaram 32 anos e porque, lamentavelmente, o que aconteceu entre nós não é tão incomum.

Quantos anos você tinha? Vinte, trinta? De onde você era? Quem você era? Só sei que você era empregada de casa, que teus seios eram fartos e que eu tinha 14 anos. Você era tímida e já trabalhava em casa há algumas semanas quando a Sheilinha, uma colega de classe, me disse que você já tinha trabalhado na casa da família dela e que você “dava para um motorista de táxi”.

A idéia de que você “dava” não saiu da minha cabeça, e você começou a estrelar obsessivamente todas as minhas punhetas. De tarde eu ficava rondando pela área de serviço enquanto você lavava a roupa. Era um tesão incontrolável, aflito, desesperado e covarde.

Eu nunca gostei daquele bosta do Adalberto e não me perdôo por tê-lo envolvido nessa história. Até hoje, nas poucas reuniões da turma do colégio Renascença, eu o evito. Mas ele era maior e mais corajoso, e eu recorri a ele. Sinto muito remorso, Luisa, pelo que fizemos."

Trecho de um texto do Henrique Goldman
na sua coluna da Revista Trip, cuja apresentação é a seguinte:

Carta aberta para Luisa
Nosso colunista pede desculpas públicas à empregada da família com quem transou, contra a vontade dela, quando tinha 14 anos



http://revistatrip.uol.com.br/revista/170/colunas/carta-aberta-para-luisa.html

Com isso inicia-se e espero bem que sim uma grande polêmica acerca dos infinitos casos de abusos sexuais dos patrões e demais machos contra as empregadas domésticas.

Deve ser influência do tal Plutão... não saberemos se essa Luiza é ou não real, mas com certeza existem muitas Marias, Rosas, Anas e por ai afora que foram vítimas desse tipo de abuso... e não só no Brasil, mas em qqr lugar onde há patrões e filhos brancos* o suficiente pra se sentirem superiores e consideram que ceder sexualmente aos machos da casa faz parte das obrigações domésticas das empregadas pobres e de origens etnicas diferentes (africanas, ciganas, de leste etc...)

Depois dos escândalos da pedofilia, vem à tona outro filão do descarrego sexual dos homens de bem... as empregadas domésticas. Não só na crônica mas em inumeros contos e romances, bem como músicas e telenovelas... isso ja foi publicitado muitas vezes... só a hipocrisia social, a impunidade absoluta e a ausência da consciência de direitos por parte das vítimas é q tapou esse sol com a peneira durante tanto tempo...

Espero jogar mais lenha nessa foqueira e que com isso se destape mais esse véu, e que mais essa sujeira debaixo do tapete patriarcal seja bastante visivel e suficientemente indigesta pra q alguma coisa seja feita de fato no sentido de se punir os abusos e estupros assim como garantir os direitos a essas cidadãs, na sua imensa maioria, muito pobre e miserável, de origens humildes, com baixa escolaridade e completamente fragilizadas de um ponto de vista social. Com medo de perder o emprego, ficam entre a cruz e a caldeirinha, sem saber se cedem ao patrão ou se depois ficam com as calças na mão se a patroa descobre tudo, pq claro, a culpa mais uma vez é da vítima... não é srs advogados do diabo???

obvio ululante tbm podia ser o titulo do post, afinal, isso é praticamente um delito muito comum nas mentes rodriguianas... tá aí o Pereio na capa q não me deixa mentir... a outra capa com a burguesinha toda boa tirando o biquini de certeza QUE NÃO TEM NADA A VER COM ISSO, NÉ?!

Ai, ai, e depois tem gente q acha q o patriarcado não existe...
...
*Aposto q aindo posso ser processada por racismo, pois claro, não tenho olhos azuis...
...